Preview #03 – Black Panther #01

Como vocês sabem recentemente tivemos o evento chamado Guerras Secretas na Marvel e como consequência disso os universos da editora se unificaram em um chamado Terra Primal. Uma introdução básica para entender o que é a iniciativa Totalmente Nova, Totalmente Diferente Marvel (All New, All Different), esse é o formato encontrado pela editora para fechar as historias por equipes criativas (Aqui no Brasil a Panini está relançando em encadernados da iniciativa Nova Marvel e as mensais estão acompanhando a Totalmente Nova Marvel). Pretendo trazer para vocês as resenhas das melhores menais dessa atual fase da editora e iremos começar com o Pantera Negra!

Black Panther
Pantera Negra edição #01

 

Não é erro dizer que o personagem é um dos mais subestimados de todos os tempos dentro da editora. Não só por integrar umas das formações mais clássicas dos vingadores, a série em 1996 era tão responsável quanto qualquer outra publicação para ajudar a remodelar e solidificar a editora na crise em que se encontrava. Os quadrinhos do Pantera Negra sempre tiveram vendas boas, mas nenhum deles chegou a saber trabalhar o viés político e ao mesmo o de super herói. O maior elogio que podemos fazer em relação a essa nova edição do personagem é dizer que finalmente encontramos o tom certo para o personagem.

Desde a primeira página, o escritor Ta-Nehisi Coates faz uma coisa bem clara – Pantera Negra não é um super-herói, e portanto, esta edição não é uma história em quadrinhos de super-heróis. T’Challa é antes de tudo um rei. Isso significa que cada ato seu se baseia em garantir a sobrevivência do seu reino, independentemente de que suas ações vão interferir no mundo exterior, seu povo ou até mesmo sua própria consciência. No inicio da historia, Wakanda atingiu o ponto de ebulição depois de anos de sofrimento e tragédia.Isso resulta em uma guerra civil e, pela primeira vez, os seus líderes podem não ter a força e determinação para enfrentar o problema. A questão de saber se T’Challa pode continuar a fazer escolhas difíceis que são da responsabilidade de um rei por si só é muito do que é o foco do quadrinho.

Esta não é a historia que os leitores podem estar esperando logo após guerras secretas. Jonathan Hickman e Esad Ribic concluíram sua saga épica, restaurando Wakanda à sua antiga glória e permitindo que ela sirva mais uma vez como um exemplo de glória científica e tecnológica do homem. Ele prometeu uma visão mais esperançosa e otimista na franquia do personagem e depois de anos de histórias mais obscuras. Para melhor ou para pior, seguir essa premissa não é a intenção do escritor Coates e  o artista Brian Stelfreeze. Esse problema certamente sugere que há mais potencial em historias de um tom mais politico em Wakanda.

Surpreendentemente, não é T’Challa que se destaca neste primeiro número tanto como as mulheres em sua vida. Coates e Stelfreeze mantêm o monarca combatente a uma distância justa aqui, além de duas sequências-chave onde a narração dramática de T’Challa dá contexto para o âmbito histórico atual  de Wakanda e como isso irá quebra-la. É um pouco decepcionante que o personagem-título não é um foco mais forte na sua própria série, mas não há tempo de sobra para que ao longo dos próximas 10 edições isso seja feito. No mínimo, esta questão martela a ideia de que T’Challa, por ter todos os seus recursos e inteligência e competência de super héroi, ele não pode ser capaz de executar a tarefa de salvar seu reino neste momento.

A equipe criativa foca a maior parte de sua atenção em sua madrasta Ramonda, e suas guarda-costas Dora Milaje. Ramonda exemplifica o peso da monarquia ainda mais forte do que o seu filho enquanto ela enfrenta um problema de Estado o que acaba levando-a a fazer uma escolha difícil. Isso alimenta o papel das Dora Milaje na trama. Não mais apenas asseclas guerreiras amazonas de T’Challa, as Dora Milaje são retratadas como personagens vitais com razões válidas para se rebelar contra seu rei. Coates oferece uma visão fascinante sobre as vidas e mentes dessas mulheres que vivem como noivas virgens e que finalmente sentem a força da independência. Há uma forma muito ousada no texto da edição usada para o peso dramático, diálogos e a narração, mas também um claro senso de humanidade e desejo dos principais personagens e suas ações.

Black Panther (2016-) 001-005
T’Challa enfrenta uma revolta em Wakanda.

Após vários anos de altos e baixos, Pantera Negra finalmente tem uma revista a sua altura. Sucesso de publico e critica (Esta edição teve impressionantes 330 mil exemplares vendidos no EUA) Coates e Stelfreeze construíram antes de tudo um conto sobre Wakanda em sua hora mais escura e um rei que pode ser capaz de salva-la. Se você é um fã  do personagem ou Capitão América: guerra civil e está interessado em aprender mais sobre T’Challa, esta história em quadrinhos tem muito para oferecer.

Anúncios